Parlamento Europeu exige lei que proteja as abelhas dos pesticidas

O Parlamento Europeu rejeitou a proposta da Comissão Europeia sobre o uso de pesticidas em abelhas e solicita que se apresente uma nova proposta, tendo esta por base os mais recentes conhecimentos científicos e técnicos, que aumentem o nível de proteção em vigor.

A proposta da Comissão Europeia deve incorporar as diretrizes da EFSA (Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos), a fim de evitar a exposição aguda e crónica de abelhas a pesticidas.

No entanto, o projeto menciona apenas o risco de as abelhas sofrerem uma exposição oportuna a pesticidas e não inclui a exposição prolongada a elas como um fator relevante.

De acordo com a resolução, o projeto "apenas introduz modificações (...) em relação à toxicidade aguda para abelhas, mas permanece silencioso quanto à toxicidade crónica para abelhas, bem como à toxicidade para abelhas". Além disso, o texto da Comissão "não representa os desenvolvimentos mais recentes do conhecimento científico e técnico" e "não alteraria o nível de proteção", denuncia a resolução, aprovada por 533 votos a favor, 67 contra e 100 abstenções.

84% das espécies vegetais e 78% das espécies de flores silvestres na UE dependem da polinização animal. Até quase 15 000 milhões de euros da produção agrícola anual da UE vão diretamente para os polinizadores de insetos, que desempenham um papel fundamental na conservação do meio ambiente natural e na manutenção da biodiversidade.

Por esta razão, o Parlamento Europeu entende que esta decisão favorece todos os Estados-Membros e, em particular a Espanha, que é o país da UE que consome mais pesticidas, cerca de 80 milhões de quilos por ano.

Fonte: Phytoma