Trigo procedente de uma antiga variedade pode aumentar rendimentos em 30 por cento

O Instituto Nacional de Botânica de Cambridge está a desenvolver uma nova variedade de trigo que poderia aumentar os rendimentos em 30 por cento. Obtido através do cruzamento de uma variedade antiga e uma espécie de silvestre que existe à 10 mil anos, o trigo sintético resulta de uma mistura com variedades de trigo britânicas modernas.

A domesticação do trigo al longo dos anos tem vindo a aumentar os rendimentos do mesmo. No entanto, regista-se que ao longo dos anos este processo tem desgastado a diversidade e as possibilidades de melhoraria, pelo que cada vez são menores os aumentos de rendimento atingidos neste processo. Nos últimos 12 anos, o rendimento médio do trigo no Reino Unido estagnou em oito mil quilos por hectare.

O programa de selecção do trigo em questão recaptura algumas das variações daqueles antepassados silvestres, que se perderam durante o processo de domesticação. O cruzamento com espécies modernas supõe um ponto excelente para transferir as novas fontes de diversidade genética dos antecessores para as plantas actuais.

Os investigadores, concretamente, cruzaram trigo duro com um género específico de plantas da família das gramíneas, utilizando técnicas tradicionais numa estufa e combinando-o com culturas de tecido em laboratório para assegurar a germinação das sementes. A planta híbrida resultante deste processo produz uma semente sintética usada nos cruzamentos com as variedades comerciais.

Nos ensaios de campo têm sido alcançados aumentos nos rendimentos superiores a 30 por cento, sendo que os investigadores não esperam dispor de variedades comerciais até 2019.

Fonte: Agrodigital (via Confagri)