Temperaturas altas afetam produtividade da maçã, pera e vinha

maca

As previsões agrícolas em 31 de agosto, do Instituto Nacional de Estatística (INE), apontam para uma quebra na produtividade das pomóideas, de -10 por cento na maçã e -20 por cento na pera, em consequência de uma floração/vigamento dos frutos menos abundante devido às temperaturas excecionalmente altas, em particular, no início do mês de agosto e de alguns acidentes meteorológicos ao longo do ciclo.

Para a vinha, também afetada pelas altas temperaturas, prevê-se uma diminuição de 25 por cento no rendimento unitário, nos pomares de kiwi a carga de frutas é muito heterogénea, estimando-se um decréscimo de cinco por cento da produtividade, enquanto para o pêssego espera-se um aumento de cinco por cento na produção.

Em relação às culturas anuais, o INE prevê aumentos de cinco por cento na produtividade do milho, arroz e girassol.

No tomate para a indústria a colheita já começou e o rendimento médio deverá rondas as 80 toneladas por hectare, ou seja, -5 por cento que em 2017. Na batata, e em resultado de reduções na área instalada e na produtividade, estima-se que a produção fique próxima das 425 mil toneladas, 10 por cento inferior à da campanha anterior.

Em julho de 2018, o peso limpo total de gado abatido e aprovado para consumo foi 40.773 toneladas, o que correspondeu a um acréscimo de 9,8 por cento devido ao maior volume de abate registado nos bovinos, de mais 6,5 por cento, nos suínos de mais 10,9 por cento, ovinos com mais 7,3 por cento e caprinos de mais 22,9 por cento.

Segundo o Boletim do INE, a recolha de leite de vaca aumentou 0,8 por cento, até um total de 160,5 mil toneladas e a produção de lacticínios foi superior à do mês homólogo em 9,7 por cento, sobretudo devido a um maior volume do leite para consumo, de mais 11,9 por cento.

As variações mais significativas em módulo no índice de preços de produtos agrícolas no produtor foram observadas na batata, mais 106,5 por cento; frutos, mais 31,5 por cento; ovinos e caprinos, mais 11,7 por cento; azeite a granel, -28,2 por cento; suínos -11,2 por cento e ovos, -8,0 por cento, de acordo com o Boletim Mensal de Agricultura e Pescas do INE em 31 de agosto.