Seminário: “Angola, Pequena Agricultura e Desenvolvimento Rural”

agricultura_gr1-940x529Irá realizar-se no Instituto Superior de Agronomia (ISA), em Lisboa, no dia 23 de outubro, o Seminário “Angola, Pequena Agricultura e Desenvolvimento Rural”.

Este evento decorre no âmbito do encerramento do Projeto de Apoio ao Programa de Desenvolvimento Agrícola e Rural,  entre Portugal e Angola e tem como objetivo promover um debate sobre as políticas públicas para a agricultura e o desenvolvimento rural, inserido no Ano Internacional da Agricultura Familiar.

Auditório da Lagoa Branca – Instituto Superior de Agronomia
23 de outubro de 2014
Este seminário é organizado no âmbito do encerramento do Projeto de Apoio ao Programa de Desenvolvimento Agrícola e Rural (PAPDAR), uma parceria entre Portugal e Angola, e pretende promover uma reflexão em torno da pequena agricultura e do papel que lhe é atribuído nas políticas de desenvolvimento rural.

Conta com a participação de especialistas internacionais nesta área, que debaterão temas tais como a pequena agricultura, a segurança alimentar e o desenvolvimento rural, as políticas de desenvolvimento rural em Angola: balanço e perspetivas, os agricultores, as comunidades rurais e o desenvolvimento rural ou a globalização, o ambiente e o desenvolvimento rural nos países do Sul.

O debate destas temáticas toma particular relevância no Ano Internacional da Agricultura Familiar, uma vez que qualquer estratégia de apoio à cooperação para o desenvolvimento sustentado nos países em desenvolvimento tem de ser alicerçado na educação e no desenvolvimento rural e da agricultura, área em que o Instituto Superior de Agronomia (ISA) tem uma vasta experiência desde a sua criação, em 1910, sobretudo com os países Africanos.

Neste sentido, foi constituído o Centro de Estudos Tropicais para o Desenvolvimento do Instituto Superior de Agronomia (CENTROP/ISA) (http://www.centrop.org/), reconhecido como ONGD, cujos objetivos principais são a promoção e apoio ao desenvolvimento sustentável em regiões tropicais através da participação em projetos de desenvolvimento, da investigação científica, da realização de estudos sobre Agricultura e o Desenvolvimento Rural, e da divulgação de temas e ações de formação relacionadas com o desenvolvimento técnico, económico e
social.

Em Angola, após um longo período marcado pela guerra, tornou-se claro que o papel do Estado na agricultura e no mundo rural é fundamental em países com uma população maioritariamente rural e largamente dependente da importação de bens de consumo alimentar, pelo que, uma vez atingida a estabilidade interna, a intervenção pública em Angola se centrou no desenvolvimento do mundo rural e, em particular, no combate à pobreza em meio rural e na melhoria das condições de vida das populações camponesas.

Neste contexto, em 2005, o Instituto de Desenvolvimento Agrário de Angola (IDA), lançou o Programa de Extensão e Desenvolvimento Rural (PEDR), com os objetivos globais de “contribuir para a redução da pobreza de uma grande parte das famílias camponesas e para a integração efectiva das comunidades rurais no desenvolvimento económico e social do País”.
No âmbito deste Programa, foi criada uma parceria entre Portugal (CENTROP/ISA) e Angola (IDA/MINAGRI), materializada no Projeto de Apoio ao Programa de Desenvolvimento Agrícola e Rural (PAPDAR), uma iniciativa financiada pelo Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP-Portugal.

O objetivo global do projeto foi “contribuir para dar à população camponesa um lugar central nas políticas públicas de Angola”, assegurando, por um lado, um desenho mais adequado nos planos económico, tecnológico, das questões do género e da sustentabilidade ambiental e institucional das ações desenvolvidas junto dessas populações e, por outro, que essas ações viessem a ser executadas por um corpo técnico sensibilizado à questão camponesa.
Este objetivo foi claramente atingido e a experiência acumulada no âmbito do PAPDAR, quer por Portugal, quer por Angola, pode, e pretende, sustentar, quer a definição de políticas públicas para o desenvolvimento rural, quer de políticas de cooperação entre os dois países, consubstanciando-se, assim, este Seminário, como um ponto de alavancagem para tal, tendo em conta o papel privilegiado que as Universidades devem desempenhar neste processo.

Pode efetuar a inscrição acendendo ao formulário, aqui.