Regadio: BEI e CEB apoiam Portugal com €280 milhões

O BEI e o CEB disponibilizam 280 milhões de euros para o financiamento da modernização e ampliação das infraestruturas de regadio em Portugal. 

regadio

O projeto irá aumentar e diversificar a produção agrícola no país e reduzir as perdas de água. 

Para executar as novas infraestruturas será necessário contratar 6.600 pessoas. 

Adicionalmente, o projeto irá criar 6.450 postos de trabalho durante a fase de exploração. 

O Banco Europeu de Investimento (BEI) e o Banco de Desenvolvimento do Conselho da Europa (CEB) irão contribuir para o financiamento do Programa Nacional de Regadios de Portugal, apoiando investimentos nas regiões do interior do país, sobretudo no Alentejo, servidas pelo sistema de rega do Alqueva. 

O projeto tem por objetivo fomentar o desenvolvimento económico nas zonas rurais e aumentar a resiliência aos efeitos das alterações climáticas, em especial às secas. 

Os empréstimos concedidos pelo BEI (200 milhões de euros) e pelo CEB (80 milhões de euros) irão financiar projetos de ampliação e modernização dos regadios existentes, bem como de renovação das infraestruturas através da construção e reabilitação de tomadas de água, estações elevatórias, coletores e outros equipamentos de rega. 

Prevê-se que a agricultura portuguesa venha a beneficiar significativamente com este projeto cofinanciado pelo BEI e pelo CEB. 

O recurso a novas tecnologias de regadio reduzirá a dependência dos níveis de precipitação e da variabilidade do clima, promovendo, assim, o desenvolvimento e a resiliência das economias rurais. 

Além disso, o reforço da área regada permitirá aumentar e diversificar a produção agrícola, propiciando culturas como o olival, o milho e a vinha. As infraestruturas localizadas fora das explorações agrícolas beneficiarão também de sistemas modernos, automatizados e inteligentes de controlo das culturas. 

Estes investimentos contribuirão para a poupança de água, estimando-se que permitam reduzir as perdas de água em 35 milhões de metros cúbicos. 

Permitirão igualmente aumentar a eficiência energética da bombagem de água: grande parte da energia consumida pelas novas infraestruturas hídricas reabilitadas será gerada internamente pela impulsão de água. 

Esta transformação da produtividade agrícola do país fomentará o emprego nas explorações agrícolas de Portugal e irá gerar emprego no setor agroalimentar local, contribuindo para a redução do êxodo rural. O desenvolvimento de diferentes projetos, sobretudo no Alentejo mas também no Algarve, no Litoral Norte e Centro e no Interior Centro de Portugal, deverá criar oportunidades de emprego para 6.600 pessoas durante a fase de execução das infraestruturas fora das explorações agrícolas e do investimento associado nas explorações agrícolas. Adicionalmente, o projeto irá criar 6.450 empregos durante a fase de exploração. 

«É com grande satisfação que contribuímos para financiar a modernização e ampliação dos sistemas de regadio em Portugal», afirmou Andrew McDowell, Vice-Presidente do BEI, na cerimónia que decorreu em Lisboa. 

«O contrato que assinámos reflete o empenho do BEI em financiar infraestruturas que impulsionam o desenvolvimento económico em vários setores, especialmente na agricultura. Além disso, reforça a mensagem de que a promoção de investimentos em regiões de coesão é uma das prioridades do banco da UE», vincou. 

Pronunciando-se sobre a assinatura do contrato, Rosa María Sánchez-Yebra, Vice-Governadora do CEB responsável pela Estratégia de Desenvolvimento Social, declarou: «o CEB congratula-se com a oportunidade de financiar a reabilitação e ampliação do sistema de regadio em Portugal. O projeto apoiará o desenvolvimento da agricultura sustentável no país, melhorará as condições de vida nas zonas rurais e contribuirá para o combate de desastres ecológicos e naturais, como a desertificação e os incêndios florestais. O mandato social do CEB tem precisamente por objeto a promoção do desenvolvimento regional e o reforço da coesão social». 

«Encaro com grande agrado esta operação conjunta da República Portuguesa, do BEI e do CEB. Este investimento na ampliação e modernização das infraestruturas de regadio em Portugal ilustra perfeitamente o papel que as instituições europeias, em conjunto com os esforços nacionais, podem desempenhar no apoio ao emprego e ao crescimento sustentável», afirmou Mário Centeno, Ministro das Finanças português. 

«Enquanto decisores políticos, temos o dever de utilizar os instrumentos financeiros mais eficientes à nossa disposição para apoiar investimentos de qualidade, que irão gerar dividendos sociais e económicos no futuro. Ao investirmos em estruturas de regadio viáveis, estamos não só a melhorar a gestão de um recurso escasso como a água e a combater os efeitos das alterações climáticas, incluindo a desertificação, mas também a criar oportunidades económicas».