Produtores de tomate estimam quebras de produção

As chuvas de maio e a redução do preço do tomate na indústria estão a preocupar os produtores, que estimam quebras de produção entre os 20 e os 35%.

Gonçalo Escudeiro, dirigente da Torriba, organização de produtores de hortofrutícolas, afirmou que as «más condições climatéricas» que se registaram durante o mês de maio atrasaram em 15 dias o início da campanha do tomate [iniciou-se esta segunda-feira], situação que está a deixar os produtores desta fruta «muito preocupados».

«Tivemos chuvas que nos fizeram atrasar a campanha e dificultaram e muito a nossa atividade. Os produtores estimam quebras de produção entre os 20 e os 35%. Uma quebra muito significativa», apontou.

O responsável referiu que para «minimizar» os estragos causados pela chuva os produtores tiveram de levar a cabo investimentos «significativos», que fizeram subir os custos de produção «no mínimo em 10%».

«A juntar a isto verificou-se uma redução do preço na indústria entre 5% e os 6%. Face a isto, os produtores iniciam esta campanha numa situação muito difícil e fragilizada», apontou.

Nesse sentido, Gonçalo Escudeiro defendeu a necessidade de existir tanto do lado da indústria do setor como do Governo uma maior atenção aos problemas dos produtores.

«Ainda há pouco tempo o Ministério da Agricultura penalizou os produtores com uma redução dos valores que atribuíam nos prémios do seguro. Isso implica um aumento de 11% no custo do seguro», lamentou. A

A campanha do tomate iniciou-se no dia 1 de agosto e vai prolongar-se até ao dia 15 de outubro.

Fonte: Lusa