Posto Apícola será Laboratório Nacional de Referência da Qualidade do Mel

A Federação Nacional dos Apicultores de Portugal (FNAP) e o Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV) unem esforços para divulgar as Boas Práticas junto dos apicultores portugueses e pretendem criar um Laboratório Nacional de Referência da Qualidade do Mel.

mel

No âmbito do protocolo de colaboração técnico-científica, assinado a 13 de julho na sede da CAP, as duas entidades comprometeram-se a revitalizar o Posto Apícola, uma estrutura de investigação, experimentação, formação e divulgação, situada na Tapada da Ajuda, em Lisboa, que será um polo dinamizador do setor apícola.

«A partir desde momento os apicultores portugueses e o setor apícola em geral têm no Posto Apícola um centro de apoio para atualizar conhecimentos e melhorar a sua atividade», afirmou Manuel Gonçalves, presidente da FNAP, que realça a juventude e a dinâmica do setor da colmeia em Portugal, que conta com mais de 45 técnicos especializados no apoio aos apicultores.

O presidente do INIAV explicou que o Posto Apícola procurará concentrar todas as estruturas de apoio à produção de mel e outros produtos da colmeia, entre as quais, o laboratório de referência de sanidade apícola e, futuramente, o Laboratório Nacional de Referência da Qualidade do Mel, para análises físico-químicas, polínicas e sensoriais.

«O protocolo que hoje assinamos com a FNAP enquadra-se na estratégia do INIAV de estabelecer parcerias com as organizações de cúpula do setor primário, com vista a transferir conhecimento da investigação para os utilizadores finais, estou muito satisfeito com mais este passo», afirmou Nuno Canada.

Eduardo Oliveira e Sousa, presidente da CAP-Confederação dos Agricultores de Portugal, manifestou satisfação pela escolha da sede da CAP para a assinatura do protocolo e disponibilidade em apoiar: «no âmbito das atividades da CAP será com muito gosto que apoiaremos a dinamização do setor do mel, que merece uma atenção especial de divulgação e apoio aos apicultores, para que criem massa crítica e consolidem as suas posições no diálogo com os seus interlocutores comerciais», afirmou.

O protocolo tem como objetivos: dinamizar estudos, atividades e projetos no espaço do Posto Apícola, que é propriedade do INIAV; aproximar o Posto da comunidade e dos operadores da fileira apícola, na ótica da promoção do intercâmbio e transmissão de conhecimentos, contribuindo para a afirmação da sua relevância no setor apícola nacional.

O Posto Central de Fomento Apícola foi criado pelo Decreto nº20417 de 21 de Outubro de 1931 (Lei do Fomento Apícola) pelo ministro Linhares de Lima, sendo as funções alteradas pelo Decreto-lei nº 27207 de 16 de novembro de 1936, tendo tido um papel preponderante na modernização da apicultura mobilista.

É um local com um valor histórico importante e tem infraestruturas que poderão ser postas ao serviço da investigação em apicultura, nomeadamente um apiário experimental, uma melaria, oficinas de apoio e um laboratório. O apiário experimental e escola apresenta-se em socalcos, envolvido por grande diversidade de plantas melíferas.

Atualmente tem 50 colónias instaladas em colmeias tipo lusitana.

A celebração do presente protocolo surge num contexto em que o setor apícola nacional apresenta uma dinâmica de crescimento e profissionalização nunca antes alcançada.

Dados da Comissão Europeia, revelam que Portugal atingiu um número recorde de 700.000 colmeias, em 2016, com um crescimento de 23,5%, embora se mantenha a tendência de diminuição do nº de explorações (10.698) dos últimos anos, um sinal claro de que os apicultores portugueses estão mais profissionais e especializados.