Investigadores de Évora testam solução para combater a bactéria Xylella fastidiosa

A bactéria, que destrói oliveiras, foi detetada durante o mês de janeiro em Portugal e ainda não tem tratamento.

Texto: Sofia Monteiro Cardoso

Em declarações ao Público, Maria do Rosário Félix, a responsável pelo laboratório de micologia do ICAAM (Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Mediterrânicas da Universidade de Évora), prevê que a bactéria se irá espalhar pelo território português.

Dada a sua gravidade e falta de soluções de tratamento, investigadores em Évora têm vindo a trabalhar numa solução inovadora e estão agora a realizar os primeiros testes. O trabalho que tem sido desenvolvido é no sentido de encontrar algo como uma vacina. Contudo, não se prossupõe que a mesma poderá ser utilizada em árvores adultas que já estejam afetadas.

Até então, a única forma de lidar com a infeção é conter a mesma nas áreas infetadas e impedir a propagação e contaminação de novos locais. As autoridades competentes utilizam as medidas presentes no plano de contingência para o controlo da Xylella fastidiosa e os seus potenciais vetores da DGAV (Direção- Geral de Alimentação e Veterinária).  

Dentro dessas medidas de proteção fitossanitária, pode ocorrer a destruição no local, após realização de tratamento inseticida contra os insetos que transmitem a bactéria, bem como a proibição de plantação dos vegetais hospedeiros da bactéria.

Também está proibida a comercialização, na área demarcada, em feiras e mercados de qualquer vegetal, destinado a plantação, pertencente aos géneros e espécies constantes da Lista de Géneros e Espécies sujeitos a Restrições Fitossanitárias.

Apesar do Alentejo ainda não apresentar áreas infetadas pela bactéria, o mesmo é uma das zonas mais suscetíveis ao contágio. Nos anos recentes, foram plantadas dezenas de milhões de oliveiras, amendoeiras e outras árvores de fruto, que são das principais espécies afetadas por esta resistente bactéria.

Segundo os produtores, os olivais portugueses encontram-se bem tratados e possuem tecnologia de ponta. Como tal, os mesmos aguardam na expetativa o surgimento de alguma solução inovadora, acreditando existir certa tolerância das suas culturas à bactéria. Até se saber se a mesmo será eficaz, o caminho continua a passar pela prevenção.

A Xylella fastidiosa dispersa-se através de insetos em distâncias curtas e pelo transporte de plantas contaminadas em distâncias longas.

Podendo estar associada a mais de 58 espécies ou géneros de plantas, a Xylella fastidiosa surgiu na Itália, no ano de 2013. Entre as espécies afetadas encontram-se a amendoeira, a cerejeira, a ameixeira, a oliveira, o sobreiro, a figueira, bem como plantas ornamentais e da flora espontânea. A bactéria não afeta pessoas ou animais.

Foi detetada, pela primeira vez, em solo português, na cidade de Vila Nova de Gaia. Aquando do seu aparecimento, foram distribuídos, juntamente com a conta da água, o folheto que dá indicações sobre o que se deve fazer se for detetada uma infecção, exibindo fotografias de sintomas da doença, para que as pessoas possam identificar a mesma. Sempre que se detete algo, as autoridades competentes devem ser alertadas.

A DGAV define a Xylella fastidiosa como “um dos principais problemas fitossanitários emergentes das últimas décadas”.