Identificação de Vinhas no Douro passa a ser online

Os 23 mil produtores da região demarcada passam a aceder através da internet a toda a informação sobre as suas parcelas de vinha, incluindo a identificação que era feita no terreno por fiscais do instituto público.
O Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto (IVDP) lançou uma plataforma eletrónica para que a informação integrada sobre parcelas de vinha fique «à distância de um clique».
No Portal do Viticultor, com acesso a uma área reservada, este processo de transmissão de informação com as autoridades torna-se «mais célere e preciso», permitindo a obtenção automática da pontuação de quatro fatores: localização, altitude, inclinação e exposição.

Manuel de Novaes Cabral, presidente do instituto público que regula o processo produtivo, faz a promoção e garante o controlo da qualidade e quantidade dos vinhos do Douro e Porto, destacou a interoperabilidade e a auto-declaração como características desta nova ferramenta.
Uma alteração relevante, já que, até agora, eram os fiscais do instituto a fazer a georreferenciação no terreno, numa região com cerca de cem mil parcelas.
Com a declaração online, esta medida «dá uma resposta rápida, diminui custos de contexto e garante objetividade e um enquadramento estável na articulação» com os agentes económicos, acrescentou o responsável máximo da mais antiga região demarcada do mundo, onde a classificação da vinha influencia diretamente o rendimento dos perto de 23 mil viticultores.

Em comunicado, o IVDP explica que a plataforma surge depois da implementação do Sistema de Informação Geográfica da Vinha da RDD que, com a uniformização dos critérios de medição das parcelas de vinha, estabilizou a área sobre a qual é calculado o «benefício», que é a quantidade de mosto, definida anualmente, que cada viticultor pode destinar à produção de vinho do Porto.
Em 2014, a região registou vendas de 493,4 milhões de euros, incluindo os vinhos do Porto, DOC (denominação de origem controlada) Douro, moscatel, espumante e vinho regional duriense. O mais famoso vinho português representou 73,5% do total do negócio, ainda que o seu peso relativo tenha caído dez pontos percentuais nos últimos oito anos.

Fonte: Jornal de Negócios (via Agronegócios).