Governo amplia regadio de Alqueva em mais de 47 mil hectares

O Governo decidiu «formalmente» ampliar em 47 mil hectares o regadio do Alqueva ao aprovar a delimitação da área de ampliação e uma alteração ao regime das expropriações de terras necessárias, disse o ministro da Agricultura.

O regadio «continua a ser uma grande prioridade para o Governo» e no Conselho de Ministros de ontem, quinta-feira, «foi aprovada a área de ampliação do Alqueva», afirmou Luís Capoulas Santos, em Beja, na sessão de abertura da edição deste ano da feira de agropecuária Ovibeja.

«Sendo objectivo do Governo ampliar a área de regadio do Alqueva em 47 mil hectares, foi necessário delimitar a área», explicou o ministro, referindo que, com a aprovação, o executivo «assumiu formalmente a decisão de ampliar o regadio do Alqueva, que, há um ano, tinha sido dado como encerrado, uma vez que não foi garantida qualquer linha de financiamento» para concretizar o projeto.

Segundo o comunicado do Conselho de Ministros, o Governo aprovou uma alteração ao regime aplicável às expropriações necessárias à realização do projeto de ampliação do Empreendimento de Fins Múltiplos do Alqueva, a qual vem atualizar a identificação e a localização de várias novas infraestruturas.

O ministro explicou que é «necessário» que a área esteja delimitada para a Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA) poder exercer as suas funções com vista à ampliação do regadio, designadamente as relacionadas com as expropriações necessárias para construção de novas infraestruturas, como canais de rega, estações elevatórias e reservatórios de água.

Luís Capoulas Santos disse que ainda estão a decorrer com «alguns bons sinais» as negociações entre o Governo português e o Banco Europeu de Investimento (BEI) para um empréstimo de 213 milhões de euros para financiar, no âmbito do Plano Juncker, a ampliação da área de regadio do Alqueva em 47 mil hectares.

«Nas últimas semanas, o Governo tem recebido alguns sinais positivos para um desfecho que desejo que possa ser tão rápido quanto possível», afirmou.

A ampliação da área de regadio do projeto Alqueva vai permitir que «um maior número de explorações possa beneficiar deste importante investimento», refere o comunicado do Conselho de Ministros.

Por outro lado, lê-se no documento, a ampliação vai permitir também «obter ganhos de adesão» ao regadio do Alqueva e, desta forma, «tornar possível reduzir os custos de exploração pelos utilizadores» e contribuir para «o aumento da competitividade da produção agrícola nacional».

Fonte: Lusa