Flavescência dourada da videira

A flavescência dourada da videira (FD) é atualmente uma das doenças mais preocupantes na cultura da vinha.

É uma doença de quarentena, incluída na Lista A2 da OEPP e nos Anexos II/ A /II e II/ B da Diretiva 2000/29/EU e sujeita a medidas de luta obrigatórias a nível nacional. Foi referenciada pela primeira vez no sudoeste de França (Armagnac) em meados do século XX. Em Portugal é oficialmente referida desde 2002 (detetada no inseto vetor) e desde 2006 em videiras, no Entre Douro e Minho, tendendo a expandir-se do noroeste para o interior norte e para o sul do país. Em janeiro de 2013 foi publicado um Plano de Ação Nacional com vista ao seu controlo.

A videira é o principal hospedeiro do fitoplasma causador da flavescência dourada. Além da videira europeia – Vitis vinifera -, a flavescência dourada afeta também as outras espécies de origem americana do género VitisV. riparia, V. labrusca, V. rupestris, etc.-, bem como os seus híbridos usados como porta-enxertos. A doença origina perdas de colheita, em quantidade e qualidade e conduz frequentemente à morte das videiras afetadas. A flavescência dourada é causada por um fitoplasma (microorganismo do Reino Bacteria, Classe Mollicutes), de origem europeia, denominado Grapvine flavescence dorée phytoplasma – um parasita obrigatório, estritamente dependente da videira. Este fitoplasma é transmitido das videiras infetadas às sãs pela cigarrinha da flavescência dourada (Scaphoideus titanus Ball.).

Este cicadelídeo associado à vinha, é um pequeno inseto de origem norteamericana, introduzido acidentalmente na Europa (França - 1958). O fitoplasma da FD também se transmite por via vegetativa e tal como o inseto vetor, tem sido introduzido e disseminado em diferentes países europeus em material de propagação vegetativa da videira. A presença do fitoplasma da FD e da cigarrinha noutras plantas (Ailanthus altissima, Alnus glutinosa, Clematis vitalba ), embora confirmada, na prática não contribui para a dispersão da doença na vinha.