Festival do Vinho do Douro Superior em Foz Côa junta referência vinícolas

O Festival do Vinho do Douro Superior que decorre em Foz Côa, no distrito da Guarda, entre 19 e 21 de maio, junta 350 referências vinícolas provenientes de 68 produtores daquele território, indicou fonte da organização.

vinho

Segundo a organização do certame, são esperados mais de sete mil visitantes ao longo dos três dias em que decorre a iniciativa, vindos um pouco de todo o país e do estrangeiro.

«Trata-se de um festival que promove a região vitivinícola do Douro Superior e todo o seu potencial produtivo e paisagístico», disse o presidente da Câmara de Vila Nova de Foz Côa, Gustavo Duarte.

Para o responsável, a produção de vinho no concelho de Foz Côa tem vindo a crescer de ano para ano de forma «exponencial», sendo já uma dos principais motores da economia do território.

«Há cerca de dois anos, e segundo dados oficiais da altura, já se tinham investido cerca de 60 milhões de euros na fileira do vinho, só no concelho de Foz Côa», frisou o autarca.

Para além de Vila Nova de Foz Côa, participam no evento os concelhos vizinhos de Carrazeda de Ansiães, Figueira de Castelo Rodrigo, Freixo de Espada à Cinta, Mêda, São João da Pesqueira, Torre de Moncorvo e Vila Flor.

«São três dias de entrada livre, completamente dedicados aos melhores vinhos produzidos na subregião do Douro Superior, a qual integra Região Demarcada do Douro», destaca a organização.

Segundo os promotores do evento, o principal objetivo é o de celebrar o caráter e singularidade dos vinhos do Douro Superior, que tem vindo a garantir a presença dos melhores produtos da subregião duriense.

Além da mostra de vinhos, o festival contará com as habituais provas comentadas por especialistas: três no que toca aos vinhos, brancos, tintos e do Porto e uma de azeites.

O programa de 2017 volta contemplar o “Concurso de Vinhos do Douro Superior” e o anúncio dos respetivos resultados, assim como um colóquio, subordinado este ano ao tema "Um Rio de Patrimónios, da Foz à Nascente".

Fonte: Lusa