FacebookLinkedin

Agrotec

Federação Nacional das Associações de Proprietários Florestais prepara livro inédito em Portugal sobre Doença do Nemátodo da Madeira do Pinheiro

A Federação Nacional das Associações de Proprietários Florestais (FNAPF) prepara-se para editar um livro bilingue em Portugal, sobre a problemática do Nemátodo da Madeira do Pinheiro (Bursaphelenchus xylophylus), considerada, desde 1999, como uma das mais devastadoras doenças da floresta portuguesa, criando uma situação particularmente grave para a fileira do pinheiro-bravo, que detém uma significativa importância económica no nosso País.

O projecto, desenvolvido no âmbito de uma candidatura à Acção 4.2.2 “Redes Temáticas de Informação e Divulgação”do ProDeR, conta com as parcerias do IMAR (Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra), Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV) e do Instituto Politécnico de Coimbra (Escola Superior Agrária de Coimbra), congregando uma equipa multidisciplinar constituída por alguns dos melhores especialistas nacionais nesta área, como a Professora Doutora Isabel Abrantes (FCTUC), o Doutor Edmundo Sousa (INIAV), a Professora Doutora Paula Morais (FCTUC) ou a Professora Doutora Teresa Vasconcelos (IPB-ESAC) que, pela primeira vez, no país, preparam a elaboração de um livro técnico-científico bilingue (português/inglês) sobre esta problemática, cuja informação se encontrava, até ao momento, dispersa em folhetos ou em pequenos guias integrados em campanhas de sensibilização dinamizadas pelo Instituto da Conservação da Natureza e Florestas e por Federações e Associações de Produtores Florestais.

pinheirosIntitulado “A Doença da Murchidão dos Pinheiros na Europa – Interacções Biológicas e Gestão Integrada”, o livro propõe-se produzir informação relacionada com o NMP, seu insecto-vector e outros organismos associados ao declínio do pinhal bravo, nomeadamente insectos escolitídeos e bactérias, bem como gerar conhecimento ao nível das instituições que lidam com este problema, designadamente as que trabalham directamente com os proprietários florestais, como é o caso das quarenta associadas da FNAPF, assumindo-se como um importante contributo para um melhor conhecimento da doença e adopção de estratégias que visem o desenvolvimento da competitividade da fileira do pinheiro-bravo face ao constrangimento causado pelo NMP.

Leia o resto aqui.