Queda de 10% nas vendas de tratores não retira à Europa liderança em exportação

A Europa mantém a posição de maior exportador mundial de maquinaria agrícola, tendo alcançado no ano passado um total de 36 mil milhões de euros em vendas além-fronteiras.

Texto: Ana Catarina Monteiro

A queda anual de 10% do número de tratores vendidos para o exterior não retirou à Europa a liderança do mercado de exportações. O continente absorveu em 2018 mais de 60% das exportações mundiais de maquinaria agrícola, segundo dados revelados recentemente pela Federação Italiana de Fabricantes de Maquinaria Agrícola (FederUnacoma).

No último ano foram vendidos 177 300 tratores para fora da Europa. Uma queda a dois dígitos face ao ano transato que afetou sobretudo os principais exportadores, com a Alemanha, que viu as suas vendas caírem 18%.

Para a FederUnacoma, estas variações devem-se à evolução tecnológica das máquinas agrícolas. “Se há dez anos os tratores representavam 38% do total de maquinaria vendida, hoje representam 31%, enquanto a participação de outros tipos de máquinas cresceu”, disse, durante a assembleia realizada recentemente, Alessandro Malavolti, presidente da associação italiana.

Os produtores têm respondido nos últimos anos à exigência de equipamentos e máquinas especiais para os vários processos agrícolas, o que remete para a maior especialização dos cultivos.

Ainda assim, em 2019, os países da Europa Ocidental recuperaram fôlego, verificando um crescimento de 17,2% nos primeiros três meses do ano, para os 41 921 tratores vendidos, face ao primeiro trimestre de 2018. O grupo de países registou uma queda anual de 9,6% em 2018.