Espanha e Portugal discutem «estratégia conjunta» para reforma da PAC

PAC

Os ministros da Agricultura de Portugal, Capoulas Santos, e o de Espanha, Luis Planas, estiveram reunidos para «discutir uma estratégia conjunta para as negociações» referentes à reforma da Política Agrícola Comum (PAC), visando apresentar uma proposta comum.

Em comunicado, o Ministério da Agricultura português assinala que Luis Planas esteve na sexta-feira em Lisboa, a convite do seu homólogo português, «para um encontro bilateral onde o tema em destaque foi a nova Política Agrícola Comum (PAC)».

A tutela recorda que «Portugal e Espanha assinaram, em conjunto com França, uma posição comum relativamente à proposta orçamental da Comissão Europeia para o próximo quadro comunitário de apoio, uma posição à qual aderiram mais 20 estados-membros, que contestam os cortes financeiros na PAC».

A Comissão Europeia propôs, em 1 de junho, uma verba de cerca de 7,6 mil milhões de euros no Quadro Financeiro Plurianual (QFP) 2021-2027, a preços correntes, abaixo dos 8,1 mil milhões do orçamento anterior, com uma ligeira subida nos pagamentos diretos e cortes no desenvolvimento rural.

A preços correntes, para o QFP 2021-2027, está prevista uma verba de 4,2 mil milhões de euros no primeiro pilar da Política Agrícola Comum (PAC) e de 3,4 no segundo. No arranque da PAC 2014-2020, Portugal recebeu 4,1 mil milhões de euros no âmbito do primeiro pilar, dos pagamentos diretos aos agricultores, e 4,082 mil milhões no segundo pilar (desenvolvimento rural).

No que concerne à distribuição dos apoios, prevê-se que os pagamentos diretos aos agricultores superiores a 60 mil euros tenham deduções e sejam limitados a 100 mil euros por exploração, estando os Estados obrigados a reservar dois por cento do montante recebido para os pagamentos diretos para ajudar à instalação de jovens agricultores.

No domínio do ambiente é proposto que 40 por cento do orçamento global da PAC contribua para reforçar a ação climática e, pelo menos, 30 por cento de cada dotação nacional para o desenvolvimento rural seja empregue em medidas ambientais e climáticas.

Adicionalmente, será ainda reservado um montante de 10 mil milhões de euros do programa da investigação da União Europeia (UE) – Horizonte Europa – para programas de investigação.

Fonte: Expresso