Empresa de Coimbra cria sistema fechado e automático de cultivo de plantas

A empresa CoolFarm, sediada em Coimbra, vai apresentar na Alemanha uma solução fechada e automática de cultivo de plantas para agricultura vertical, através da qual toda a operação é feita sem entrar qualquer pessoa dentro do sistema.

coolfarm

A empresa de Coimbra, que também desenvolve um sistema de controlo aplicado a estufas, apresenta agora o CoolFarm in/store, um sistema automático fechado, que permite o cultivo de vegetais num contexto de agricultura vertical e em que «ninguém entra dentro do sistema», disse à agência Lusa o cofundador da ‘startup’ Eduardo Esteves.

A inovação consiste em criar «uma unidade fechada, em que um elevador recolhe os tabuleiros de crescimento das plantas e que funciona sem a entrada do operador no interior do sistema», explicou o responsável, sublinhando que esta solução evita as contaminações («o operador é sempre a maior fonte de contaminação») e evita o uso de pesticidas e herbicidas.

A ‘startup’ portuguesa vai apresentar uma prova de conceito na feira de comércio a retalho Euroshop 2017, na cidade alemã de Dusseldorf, de 5 a 9 de março.

«O sistema vem resolver alguns problemas da agricultura vertical”, em que o acesso aos andares superiores das estufas é sempre mais difícil, notou Eduardo Esteves, sublinhando que só é possível ter um “sistema completamente fechado» face ao desenvolvimento de um sistema de controlo por parte da CoolFarm, em que câmaras vão controlando o crescimento das plantas.

De acordo com o cofundador da CoolFarm, a energia gasta pelo motor do elevador «é quase negligenciável», visto que o próprio sistema já gasta «alguma energia» devido à iluminação e climatização em ciclos de produção que são anuais.

No entanto, o sistema permite, por outro lado, «um melhor aproveitamento de recursos», registando-se «um aproveitamento de 90% da água» utilizada, ao contrário do que acontece na agricultura convencional.

Eduardo Esteves salientou à Lusa que este sistema pode também ser colocado «em espaço de loja», permitindo a compra «do produto vivo, acabado de colher».

Porém, «o público poderá ainda não estar preparado para isso», referiu.

A CoolFarm quer começar a fazer vendas deste sistema fechado no final de 2017 ou no início de 2018, havendo já «demonstrações de interesse».

Para Eduardo Esteves, a agricultura vertical vai ganhar cada vez mais preponderância, por permitir que sejam produzidos vegetais num ambiente urbano.

«Neste momento, as cidades não são autossuficientes, mas podem começar a ser produtoras também», realçou.

A empresa CoolFarm nasceu em Coimbra há três anos com a criação de um sistema de controlo para estufas que tem recolhido interesse por parte de empresas espalhadas um pouco por todo o mundo.