Douro Superior com quebras de 50% na produção de azeitona “Negrinha de Freixo”

A Adega Cooperativa de Freixo de Espada à Cinta (ACFEC), no Douro Superior, estimou quebras de pelo menos 50% na produção da azeitona de que detém os direitos de comercialização, a "Negrinha de Freixo".

A azeitona de conserva "Negrinha de Freixo" é um produto com Denominação de Origem Protegida (DOP) pela União Europeia desde 21 de junho de 1996.

Segundo o presidente da ACFEC, José Santos, o ano agrícola foi «mau» para a produção desta qualidade de azeitona certificada, aliás, à semelhança do que aconteceu com outros produtos agrícolas.

«Na campanha de 2015, a ACFEC recebeu 1,2 milhões de quilos de azeitona de conserva “Negrinha de Freixo”. Este ano as estimativas rondam os 500 a 600 mil quilos», indicou.

De acordo com o dirigente, há menos azeitona este ano, mas a que está a entrar na cooperativa é melhor.

Ainda segundo o responsável, a "Negrinha de Freixo" é um produto olivícola «muito procurado» por ser a «única» azeitona na região Norte a ostentar a chancela de DOP.

«Praticamente toda a produção é exportada para Espanha», disse.

A "Negrinha de Freixo" é uma azeitona de pequena dimensão, da variedade negra, que é consumida após tratamento ou em salmoura. Está mais vocacionada para a conserva do que propriamente para a produção de azeite.

A sua produção está confinada aos concelhos de Freixo de Espada à Cinta, Torre de Moncorvo, Vila Flor e Mirandela.

Fonte: Lusa