Comissão Europeia exige maior rapidez na erradicação das plantas contaminadas com Xylella fastidiosa em Espanha

Bruxelas não quer que se repitam os mesmos erros que aconteceram Alicante. Situação similar favoreceu a dispersão da bactéria no sul de Itália.

O organismo pede agora uma maior velocidade na aplicação de medidas de erradicação na área espanhola demarcada, a fim de resguardar o país do mesmo que aconteceu em solo italiano. A possível propagação pelo continente europeu também é uma preocupção.

Segundo o jornal espanhol Phytoma, o principal obstáculo são os numerosos recursos apresentados pelas municípios espanhois e pelos proprietários das parcelas afetadas, que se recusam a destruir plantações inteiras.

A recente decisão de um tribunal de Alicante, favorável ao Departamento a Agricultura, que rejeitou um recurso apresentado por um município, pode ajudar à luta governamental.

A Direção Geral de Segurança Alimentar tornou público o relatório final da auditoria realizada em abril, realizada para avaliar a situação da Xylella fastidiosa em Espanha. Os progressos em Alicante não são os suficientes, devendo-se acelerar o passo.

No relatório apresentado, foi descoberto que, embora inúmeras árvores tenham sido desenraizadas na área infetada, o não aplicação desta medida no perímetro de 100 metros em torno de casos positivos, favoreceram o propagação da doença. Também reconhece esforços significativos para monitorar a presença de Xylella fastidiosa na área demarcada, mas alerta que não tem sido uma vigilância completa. A auditoria alerta, ainda, para a transferência das plantas especificadas.

As regiões de Espanha pronunciaram-se e fizeram notar que mais pessoas foram contratadas para a causa. Além disso, os técnicos em fitossanidade realizaram várias reuniões com os governantes dos municípios incluídos na área demarcada, solicitando a sua colaboração para acelerar a eliminação de positivos.