Cientistas usam tomate para produzir substâncias benéficas para a saúde

Investigadores do Centro de Investigação inglês John Innes, encontraram forma de conseguir produzir a uma escala industrial algumas substâncias benéficas para a saúde através da utilização do tomate.

As substâncias são fenilpropanoides como o Resveratrol, que é um composto encontrado na soja e que desempenha um papel importante na prevenção de cancros da mama.
Os investigadores comprovaram que um tomate poderá produzir a mesma quantidade de Resveratrol que existe em 50 garrafas de vinho e a mesma quantidade de Genistein que pode ser encontrado em 2,5 kg de tofu.

Os cientistas comprovaram que a proteína AtMYB12, que se encontra na planta Arabidopsis thaliana, ativa um amplo conjunto de genes involucrados nas rotas metabólicas responsáveis pela produção de compostos naturais. Atua como uma espécie de torneira, que pode aumentar ou reduzir a produção de compostos naturais, dependendo da quantidade de proteína presente.

Ao introduzir nos tomates a proteína da planta, aumenta-se a capacidade da planta de tomate em produzir compostos naturais, influenciando também a quantidade de energia e carbono que dedica à produção destes compostos naturais. Introduzindo a proteína e os genes de plantas que codificam enzimas específicas para fabricar Resveratrol e Genistein em legumes, obtêm-se umas solanáceas que produzem 80 mg de compostos naturais por grama de tomate seco, demonstrando que a produção em escala industrial é possível.

Ler aqui.