Agricultura com nova linha de crédito de €300 milhões

Foi formalizado a 15 de julho, o “Protocolo para o estabelecimento de condições de financiamento especiais de apoio às atividades do setor agrícola e florestal”, que «estabelece uma linha de crédito de 300 milhões de euros destinados ao setor agrícola», avançou em comunicado o Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural.

O acordo, que no fundo permite às empresas agrícolas que já tenham financiamento comunitário aprovado pelo Plano de Desenvolvimento Rural (PDR2020) poderem financiar-se na banca comercial com as condições agora acordadas, foi subscrito pelo IFAP – Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas e 10 instituições bancárias.

São elas: o BCP, o BIC Português, o BPI, o Banco Popular Portugal, o Banco Santander Totta, a Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo, a Caixa Económica Montepio Geral, a Caixa Geral de Depósitos, o Novo Banco e o Novo Banco dos Açores.

A nova «linha de financiamento, com condições especiais de apoio às atividades no setor agrícola e florestal financiadas pelo FEAGA – Fundo Europeu Agrícola de Garantia e FEADER – Fundo Europeu Agrícola para o Desenvolvimento Rural, visa «empréstimos e concessão de garantias bancárias».

Nas operações à luz do protocolo assinado e divulgado pelo Ministério da Agricultura, vigoram juros à taxa Euribor a 12 meses acrescida de «um spread de até 4 pontos percentuais».

«Não serão aceites as operações que se destinem à reestruturação financeira e/ou impliquem a consolidação de crédito vivo» e operações «destinadas a liquidar ou substituir de forma direta ou indireta, ainda que em condições diversas, financiamentos anteriormente acordados com outras instituições de crédito».

A apreciação da elegibilidade das operações é feita pela instituição de crédito, é estabelecido no protocolo com os 10 bancos. «Neste momento, estão contratados mais de quatro mil projetos no âmbito do PDR 2020, a que corresponde um volume de investimento de 560 milhões de euros», afirma Luís Capoulas Santos, ministro da Agricultura, citado no comunicado.

Fonte: Sábado