Importância da poda na fitossanidade da oliveira

A poda de frutificação da oliveira deve ser racional e se possível anual, durante o repouso vegetativo.

poda

Esta prática cultural deve ser efetuada no sentido de promover o equilíbrio das árvores, não havendo cortes severos, e respeitar a fisiologia e os hábitos de frutificação de modo a minimizar a contra-safra.

Os objetivos da poda são:

Contribuir para o equilíbrio entre a parte vegetativa e a parte produtiva.

Preservar os ramos do ano, eliminando os mais velhos e doentes já que esta espécie frutifica em ramos de 2º ano.

Os tempos e custos desta operação devem ser razoáveis, pois sempre que possível devem ser efetuadas do solo e com motosserras e serrotes de cabo.

Deve proporcionar, uma boa iluminação e um bom arejamento no interior e ao longo da copa, isto é originar copas bem equilibradas em termos de distribuição de ramos e raminhos.

O número de cortes deve ser reduzido para evitar a propagação das doenças.

Como prevenção recomendamos:

Iniciar as podas pelas árvores mais sãs.

Os cortes devem ficar lisos e inclinados para evitar que a água fique aí depositada.

A desinfeção dos equipamentos de poda deve ser efetuado principalmente quando podamos árvores infetadas. (1 parte de lixívia para 2 de água).

Quando houver necessidade de executar cortes de ramos mais grossos, devemos desinfetar essa superfície com uma pasta cúprica (sulfato de cobre + cal viva 250grs em 3 litros de água).

Após a poda podemos realizar uma aplicação cúprica com ocicloreto de cobre, hidróxido de cobre ou ainda trifloxistrobina, pois evita a disseminação de doenças como:

Olho de Pavão (Spilocaea oleagina)

Poda racional e fertilização equilibrada, sem excesso de azoto e deficiente em cálcio, fósforo e potássio contrariam o olho de pavão.

Utilização de formas de rega que não molhem a rama, (gota a gota).

Gafa (Colletotrichum acutatum e C. gloeosporioides)

Para além das podas equilibradas, o controlo da mosca da azeitona evita o seu aparecimento.

Eliminar frutos gafados, reduz o inoculo para o ano seguinte

Tuberculose da Oliveira (Pseudomonas savastanoi)

Iniciamos as podas pelas árvores sãs.

Após a poda retirar e queimar os ramos com nódulos.

Desinfetar os cortes dos ramos mais grossos com a pasta de calda bordalesa pois os principais períodos de infestação destas doenças são a primavera e o Outono, pois o tratamento fora destas épocas é ineficaz.

Fonte: SNAA - Estação de avisos da Terra Quente