Açores recebem quase metade das ajudas da UE destinadas ao setor do leite nacional

Os Açores vão receber 46% da ajuda de quatro milhões de euros da União Europeia (UE) destinada ao setor do leite nacional, revelou o secretário regional da Agricultura e Ambiente.

leite

«Penso que foi um bom resultado para a nossa região, em quatro milhões de euros temos 1,8 milhões de euros, o que significa que temos 46% desse envelope», afirmou aos jornalistas Luís Neto Viveiros, em Ponta Delgada, ilha de São Miguel, à margem da inauguração do centro de interpretação da cultura do Ananás.

O governante exemplificou que, «em 2015, num pacote mais alargado de 4,8 milhões de euros», os Açores alcançaram «só 1,2 milhões de euros», pelo que a verba agora destinada ao arquipélago representa, no seu entender, «um progresso muito significativo».

«Isto é o reconhecimento por parte do Governo da República da importância que o setor do leite e dos laticínios tem na nossa região», declarou Neto Viveiros, manifestando-se satisfeito com o resultado «desta partilha do envelope financeiro destinado a Portugal», ressalvando, contudo, a sua «exiguidade face à dimensão do problema» em causa.

A 18 de Julho, o secretário regional da Agricultura e Ambiente dos Açores, Neto Viveiros, exigiu metade das ajudas da UE destinadas ao setor do leite nacional.

«Aquilo que nós vamos exigir do Governo da República, à semelhança do que fizemos no passado recente, considerando aquilo que é o peso dos laticínios no espaço nacional, produzimos mais de 30% do leite nacional e quase 50% do queijo, a repartição justa dessa verba será na casa dos 50% para a região e 50% para o espaço nacional», afirmou Neto Viveiros na ocasião.

Nesse mês foi anunciado que Portugal iria receber quase quatro milhões de euros de ajudas para o setor do leite, valor que pode ser duplicado com verbas nacionais, de um pacote de 350 milhões destinados ao setor.

Esta terça-feira, 23 de agosto, o governante adiantou que, «aplicando os critérios que foram definidos e que foram negociados» entre os executivos nacional e regional são «valores muito próximos» ao exigido.

«Isto foi o resultado de um trabalho aturado entre a Secretaria da Agricultura e do Ambiente e o Ministério da Agricultura na definição de um critério que, sendo um critério nacional, se reflete nos Açores numa percentagem de quase 50%», insistiu, apontando as características da agricultura e a dimensão das explorações.

Neto Viveiros reconheceu que os valores «não satisfazem a Federação Agrícola, nem satisfazem o Governo dos Açores e, porventura, não satisfarão todos os agricultores do país», mas foi a repartição feita pela Comissão Europeia. «É o dinheiro que temos do montante global de 350 milhões de euros», destacou.

Numa nota de imprensa, o executivo açoriano adianta que «vão ser atribuídos 45 euros por vaca aos primeiros 20 animais de cada exploração, beneficiando todos os produtores da região».

Fonte: Lusa