Saiba como transformar resíduos da adega em fertilizante

Texto: Aviso da DRAPN - Estação de Avisos de Entre Douro e Minho

bagaco

O bagaço e o cangaço são subprodutos das adegas.

Enquanto o bagaço apresenta uma mais-valia como matéria-prima para o fabrico de aguardente nas destilarias, o cangaço é normalmente queimado, constituindo o verdadeiro resíduo das adegas.

Quando usados em fresco como fertilizantes do solo, o bagaço e o cangaço são fitotóxicos, devido à presença de fenóis e taninos.

A compostagem (1) destes resíduos da vinificação em mistura com outros resíduos da exploração, como mato moído, podas, folhagem e estrume, vai contribuir não só para reduzir a toxicidade, como, também, para obter um composto orgânico de qualidade, que ao ser aplicado ao solo como corretivo orgânico vai incrementar a sua fertilidade física (estrutura e permeabilidade), química (veiculador de nutrientes para as culturas) e biótica (fonte de organismos antagonistas e de bactérias que intervém nos processos de mineralização e absorção e nutrientes pelas plantas).

O composto de bagaço-cangaço pode ser usado como corretivo orgânico em culturas arbóreo-arbustivas (na própria Vinha) e em culturas hortofrutícolas. Para além dos efeitos benéficos sobre a fertilidade do solo, ainda apresenta valor fertilizante, fornecendo nutrientes como azoto, potássio, cálcio, cobre, zinco e manganês.

(1) Compostagem: processo de degradação dos resíduos orgânicos pela ação de microrganismos aeróbios, com libertação de calor, vapor de água e dióxido de carbono e tendo como produto final um composto orgânico, de aspeto terroso, cor castanha escura, odor a terra húmida, rico em substâncias húmicas e nutrientes para as plantas.