Redução na área de tomate para indústria

As previsões agrícolas apontam para uma redução de 26% na área de tomate para a indústria em consequência do agravamento dos problemas fitossanitários, indica o Boletim Mensal de Agricultura e Pescas, a 31 de maio, publicado pelo Instituto Nacional de Estatísticas.

tomate

Segundo o Boletim, também houve reduções na área de girassol, de menos 20 por cento e de batata com menos 5%, culturas que registaram atrasos na instalação.

Em sentido contrário, a garantia das disponibilidades hídricas permitiu um aumento na área de arroz, com mais 5% e a manutenção da superfície de milho.

Em relação aos cereais de inverno que se encontram em fase de maturação, o INE estima aumentos generalizados na produtividade de 5% no centeio, 14 no trigo e aveia e 20% no triticale e cevada.

Para as frutas, as previsões esperam um bom ano para as prunóideas que apesar de atrasos na maturação apresentam produtividades muito acima da média dos últimos anos.

O rendimento unitário na cereja deverá ficar perto das três toneladas por hectare enquanto no pêssego será de 12,8 toneladas por hectare.

O peso limpo total de gado abatido e aprovado para consumo foi de 36.963 toneladas, o que correspondeu a um acréscimo de 6,9 por cento, mais 1,1% em março, devido ao maior volume de abate registado nos bovinos, de mais 15,8% e suínos de mais 9,8%.

A recolha de leite de vaca foi de 168,4 mil toneladas, o que significa um acréscimo de 0,9%, mais 0,2% em março.

A produção total de laticínios foi superior à do mês homólogo em 9,6%, mais 3,6 em março, sobretudo devido a um maior volume dos principais produtos lácteos frescos, ou seja, do leite para consumo, de mais 9,7% e dos leites acidificados, mais 16,7%.

Quanto aos preços e índices agrícolas em maio de 2018, as maiores variações de preços de produtos no produtor foram observadas nos hortícolas frescos, nos ovinos e caprinos, ovos, na batata e nos suínos, indica o Boletim Mensal de Agricultura e Pescas, publicado a 31 de maio.