Governo quer alterar situação «desadequada» do setor dos cereais

O ministro da Agricultura considera que o setor vive uma situação «desadequada», esperando alterar esse cenário no espaço de cinco anos, aumentando o grau de auto aprovisionamento.

cereais

O ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, considera que o setor dos cereais em Portugal vive uma situação «desadequada», esperando alterar esse cenário no espaço de cinco anos, aumentando o grau de auto aprovisionamento.

«Estamos a trabalhar numa estratégia de médio e longo prazo para inverter uma situação que consideramos desadequada a que chegou o setor dos cereais em Portugal, fruto de várias circunstâncias, como circunstâncias políticas e circunstâncias agroclimáticas», disse.

Para o titular da pasta da Agricultura, que falava aos jornalistas em Elvas (Portalegre) no encerramento de um ciclo de conferências inseridas no Dia do Agricultor, iniciativa promovida pelo Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV) e de outras entidades ligadas ao setor agrícola, é preciso «recriar» condições para que a cerealicultura volte a ocupar um lugar de relevo no país.

«Temos por isso que recriar as condições para que a cerealicultura em Portugal venha a ocupar o espaço que entendemos que deve ter, ainda que tenhamos consciência que Portugal não tem condições para ser autossuficiente em cereais, como somos noutros produtos», reconheceu.

Capoulas Santos acrescentou que a produção de cereais em Portugal situa-se num nível de auto aprovisionamento na ordem dos «25%», mas quando são separados os diferentes cereais, como por exemplo o trigo panificável, o grau de auto aprovisionamento situa-se na “ordem dos 5%.

«Queremos, portanto, alterar esta situação por forma que num horizonte de cinco anos possamos aumentar este grau médio de auto aprovisionamento para os cerca de 38 a 40%, é esse o nosso objetivo», defendeu.

Para que estes objetivos sejam atingidos, o ministro da Agricultura sublinhou que é preciso um conjunto de medidas de «natureza legal e de apoios comunitários», recordando que estão a iniciar as negociações de um novo quadro comunitário de apoio.

«Nós temo-nos batido pela manutenção do atual orçamento. A proposta da comissão parcialmente responde a este nosso objetivo já que no primeiro pilar da Política Agrícola Comum (PAC) aumenta até as dotações para Portugal, mas no segundo pilar, onde estão os apoios ao investimento, medidas agroambientais, há um corte que ainda não é conhecido e nós pretendemos recuperar esse corte», defendeu.

Capoulas Santos sublinhou ainda que Portugal quer «manter» do ponto de vista financeiro a situação atual no que diz respeito à PAC, ao passo que do ponto de vista regulamentar defende um “maior espaço de manobra” para definir melhor as políticas nacionais.

No Dia do Agricultor, que decorreu esta segunda-feira no Centro de Negócios Transfronteiriço de Elvas, foi apresentada a Estratégia Nacional para a Promoção da Produção de Cereais.

A estratégia apresentada, após ter sido criada pelo Governo, integra um conjunto de «20 medidas prioritárias» e «ações concretas» para os próximos cinco anos, que vão contribuir para um setor «mais forte e mais eficiente», com «maior capacidade» de resistência à volatilidade dos mercados, disponibilizando aos consumidores um produto de elevada qualidade.

Por outro lado, com a implementação desta estratégia é objetivo atingir-se até 2022 um grau de auto aprovisionamento em cereais de cerca de 38% a 40%, correspondendo 80% ao arroz, 50% ao milho e 20% aos cereais praganosos.

Durante esta jornada em Elvas foi ainda assinado um protocolo de cooperação para a implantação do laboratório colaborativo “InnovPlantProtect”, na Estação Nacional de Melhoramento de Plantas do INIAV, naquela cidade alentejana.

De acordo com os promotores, o projeto prevê desenvolver biopesticidas como alternativas mais sustentáveis aos pesticidas atualmente no mercado e cuja utilização se encontra em risco na Europa por apresentarem riscos ambientais e para a saúde humana e animal.

Liderado por investigadores da Universidade Nova de Lisboa, InnovPlantProtect resulta de uma parceria com o INIAV e o município de Elvas, contando ainda com a participação de diversas entidades e empresas. 

Fonte: Lusa