Ginja da Licóbidos recebe certificação Indicação Geográfica Protegida

A ginja utilizada para produzir a ginjinha das marcas Mariquinhas e Ginja9 recebeu a certificação de Indicação Geográfica Protegida, «uma mais-valia» que permitirá «distinguir» o produto da concorrência, disse ontem à Lusa o CEO da Licóbidos, Bernardo Cavalheiro.

ginja

A certificação das ginjeiras da empresa é a primeira e até agora única após a aprovação do pedido de registo da região de Óbidos e Alcobaça como Indicação Geográfica Protegida (IGP) na produção de ginja, em junho de 2016.

A empresa produz o licor Mariquinhas usando exclusivamente ginja produzida na região, sendo este o mesmo processo para a Ginja9, marca de ginjinha criada na Califórnia para servir o mercado norte-americano com o licor português.

A certificação IGP permitirá à empresa de Cristina e Pedro Cavalheiro «atestar junto do consumidor» que a ginjinha Mariquinhas é feita a partir de ginjas nacionais, «de extrema qualidade» e com origem reconhecida.

Com 20.000 árvores, a Licóbidos é a maior produtora de ginja de Portugal, segundo a empresa.

Entre os outros produtores da região, «nenhum tem escala ao ponto de possuir ginjeiras que se distingam pela quantidade e qualidade», afirmou Bernardo Cavalheiro, referindo que a empresa foi «em sentido contrário» e investiu no aperfeiçoamento da produção com árvores específicas para a região ao longo dos últimos 20 anos.

É muito difícil para os produtores de ginjinha cumprirem os termos que constam do caderno de especificações, o que explica que em dois anos esta seja a primeira certificação junto da Associação dos Produtores de Maçã de Alcobaça (APMA), a entidade certificadora.

«O público em geral desconhece esta realidade, porque existem imensos produtores de licor, que é a parca produção de ginja existente em Portugal», adiantou Bernardo Cavalheiro.

Uma vez que a maioria dos licoristas importa ginja de outros países europeus, normalmente a preços mais reduzidos, tal invalida a sua candidatura a IGP.

Fonte: DN