FAO lança sistema espacial para detetar zonas de seca

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) apresentou recentemente um novo sistema que permite detetar, a partir do espaço, as zonas agrícolas com elevada probabilidade de sofrerem com a seca a nível global.

Em comunicado, o responsável de Recursos Naturais da FAO, Óscar Rojas, explica que o chamado Sistema de Índice de Stress na Agricultura apresenta um mapa da situação mundial a cada dez dias, usando dados de satélites da vegetação e da temperatura na superfície da terra a partir de um sensor.
A base de dados do novo sistema, desenvolvido com ajuda da União Europeia, abrange 30 anos de experiência e reflete os principais pontos do planeta afetados pela falta de água desde que em 1984 a zona do Sahel, no norte da África, sofreu com uma grande seca.

De acordo com o comunicado da FAO, 1989 foi o ano em que a seca afetou uma maior extensão territorial destinada à agricultura em todo o mundo, enquanto que entre 2013 e 2014 os lugares mais afetados foram a Nicarágua, Colômbia e Venezuela.
Além de dispor dos dados por satélite, Rojas assegurou que é necessário conhecer a situação particular de cada país e usou como exemplo a Síria, onde a guerra, entre outros fatores, pode alterar o mapa da seca.

A seca, entendida como uma combinação de uma baixa atividade das plantas e temperaturas altas anormais, tem um impacto negativo sobre a produção dos alimentos e nos últimos 20 anos aumentou em frequência e intensidade como resultado da mudança climática.
Nesse sentido, a FAO insiste que dispor de informação sobre a situação dos cultivos de alimentos no mundo é essencial para diminuir o impacto da seca na agricultura.

Fonte: Agronegocios.eu