EUA é mais permissivo do que a Europa no uso de medicamentos em Pecuária

01800A normativa dos EUA, relativamente ao uso de medicamentos veterinários, é mais permissiva do que na UE, como também de outras substâncias como as hormonas (na Europa são totalmente proibidas). Um grupo de investigadores espanhóis refere que se tem registado uma evolução problemática dos resíduos de medicamentos no setor cárneo.

“Por vezes encontramos resíduos de substâncias proibidas cuja origem não é conhecida, e pode até ter sido originado, em alguns casos, por causas naturais do próprio animal (como por exemplo, niveis de hormonas desestabilizado devido ao animal ter sofrido stresse) ou devido ao ambiente ( por exempo, gerados pela secreção de fungos da própria alimentação).” diz O«Patricia Muñoz, do CNA-AECOSAN (Centro Nacional de Alimentação de Espanha).

A legislação e os controlos de inspeção são elementos fundamentais da atividade agropecuária. As autoridades sanitárias, alimentares e as empresas empregam muito tempo e custos no controlo e prevenção deste problema para evitar que afetem a saúde do consumidor. Em 2013 a UE detetou 108 alertas relacionados com resíduos de medicamentos em produtos de carne e derivados. Durante o ano de 2014, registaram-se 43 ocorrências até à data.

É necessário continuar a estabelecer sistemas mais eficientes de deteção de resíduos de medicamentos veterinários nos alimentos de origem animal, como: maior controlo no emprego de hormonas, implementação de autocontrolos para a deteção de resíduos em matadouros, procedimentos de atuação por suspeita, rastreabilidade, etc.

A UE apenas permite o uso de medicamentos em animais destinados à produção de alimentos que tenham sido autorizados pela Agência Europeia de Medicamentos (EMEA). Para além disso, limita a utilização de substânicas farmacologicamente ativas apenas em animais produtores de alimentos se estes foram objeto de uma avaliação de risco, com uma base científica sólida, e um resutado favorável. Deste modo, estabelecem-se Limites Máximos de Resíduos (LMR) e perdíodos de espera, que marcam o tempo que deve ocorrer entre a última administração de um medicamento ao animal e a obtenção de alimentos provenientes do mesmo, necessários para proteger a saúde humana.

A importância deste tipo de controlos por parte da indústria alimentar é fundamental por motivos de segurança e cumprimentos das exigentes normativas da UE, mas também porque a presença destas substâncias supõe uma restrição comercial para os países exportadores/importadores. Para além disso, desde o ponto de vista tecnológico, a presença destas substâncias deve ser tida em conta, já que podem interferir nos processos normais de conceção de produtos e subprodutos.

Ler aqui.