ENTOGREEN: insetos podem fechar o ciclo do desperdício alimentar

inseto

A ideia é da ENTOGREEN, uma startup portuguesa que descobriu o potencial dos insectos na bioconversão dos resíduos vegetais agroindustriais em fertilizantes orgânicos e soluções de nutrição animal.

Esta solução inovadora voltou a ser premiada duplamente, desta vez com a distinção Born From Knowledge (BFK AWARDS) na primeira edição do Agri Innovation Summit (AIS 2017), encontro sobre inovação e digitalização na agricultura e no setor rural, iniciativa do Governo em parceria com a União Europeia através da rede PEI-AGRI e da Rede Europeia de Desenvolvimento Rural.

O BFK tem como particularidade, a valorização e distinção de produtos/serviços que revelam três fatores: criatividade, potencial de inovação e viabilidade económica, e por último, a garantia de uma aliança entre a dimensão tecnológica e a responsabilidade social.

No mesmo evento, a ENTOGREEN arrecadou ainda o Prémio Agri Innovation Startup 2017 por ser um grupo operacional dinamizador de projetos que visa uma agricultura inovadora e sustentável.

Já em 2016, no dia da Europa, os empreendedores Daniel Murta e Rui Nunes viram premiado o seu sistema inovador de bioconversão através de insetos no Concurso “Canvas. ProjectosQueMarcam”.

Com o aumento demográfico, segue-se o aumento do consumo, a necessidade do incremento da produção, resultando numa quantidade excessiva de desperdícios alimentares.

Mas, antes de chegarmos às mesas dos consumidores finais, soma-se 30% de perda dos alimentos e atingimos 45% no que se refere a produtos vegetais.

São excedentes que culminam nos aterros sanitários, mas que com a ENTOGREEN são reaproveitados, voltando a entrar na cadeia alimentar.

Esta é uma tecnologia de base biológica que utiliza insetos como motor da transformação dos nutrientes perdidos em fontes nutricionais para plantas e animais.

A solução inovadora da Entogreen começa numa incubadora de produção de moscas adultas da espécie black soldier fly, cujas condições ambientais propiciam a elevada produção de ovos.

Segue-se a inoculação dos ovos num composto alimentar, posteriormente as larvas resultantes vão iniciar a conversão da matéria orgânica dos desperdícios alimentares, terminando com sucesso a bioconversão.

Aguardam-se alguns dias para o crescimento das larvas que após digerirem os desperdícios, é finalmente produzido o fertilizante orgânico como solução para os solos.

As larvas são uma fonte nutricional para animais, sendo processadas em farinha de inseto.