Desenvolvido novo Dispositivo Não Invasivo que avalia qualidade da carne de frango antes de chegar ao consumidor

aviarioInvestigadores da Universidade Politécnica de Valência desenvolveram um novo dispositivo que permite conhecer o estado de conservação e detetar malformações na carne de frango, a partir da análise das suas propriedades elétricas. Trata-se de um sistema não invasivo que ajudaria a garantir a qualidade do produto que chega ao consumidor final.

O dispositivo foi fabricado com técnicas de impressão 3D, incorpora um avançado sensor com o qual se podem registar, de forma rápida e silenciosa, as propriedades elétricas do produto e obter assim um diagnóstico preciso acerca da qualidade do mesmo.

Segundo explica Pedro J. Fito, investigador do Instituto de Engenharia dos Alimentos para o Desenvolvimento da UPV, a carne de frango pode apresentar problemas internos que não são detetáveis visualmente e com as medidas que se aplicam atualmente não se podem perceber, sobretudo quando se vende o produto inteiro.

“O nosso dispositivo permite ir mais além, mediante um simples “disparo” podemos conhecer com detalhe quais são essas propriedades e identificar a nivel metabólico qualquer transformação bioquímica ou estrutural do produto. O que fizemos foi desenvolver técnicas médicas aplicadas à indústria cárnica para poder detetar essas malformações internas”, adiantou Pedro J. Fito, um dos autores do projeto.

Os investigadores assinalam que este novo sensor foi criado para ser utilizado antes da linha de embalamento. “A aplicação do dispositivo ajudaria a que as aves com malformações sejam retiradas da linha, evitando assim que um produto de má qualidade chegue até ao consumidor”, aponta Ricardo J. Colom, outro dos investigadores envolvidos.

Ler aqui.