Bolsa de Terras de Sever do Vouga já entregou cerca de 70% das parcelas disponíveis

Na sessão de divulgação dos candidatos à Bolsa de Terras de Sever do Vouga foram atribuídas 15 das 22 parcelas colocadas ao dispor

Cerca de 70% das parcelas colocadas à disposição na Bolsa de Terras de Sever do Vouga foram atribuídas durante a sessão de divulgação dos candidatos inscritos e que decorreu na tarde de segunda-feira, dia 13 de maio, nas instalações do Vougapark, em Paradela do Vouga (Sever do Vouga).

Dos 22 lotes de terreno que compõem a Bolsa de Terras, 15 foram entregues pelos promotores da Bolsa de Terras, a AGIM – Associação para a Gestão, Inovação e Modernização do Centro Urbano de Sever do Vouga, a Fundação Bernardo Barbosa de Quadros e a empresa Espaço Visual – Consultores de Engenharia Agronómica, L.da.

bolsa de terras3

Na foto: Promotores da Bolsa de Terras e os candidatos a quem foram atribuídas parcelas de terreno

De destacar que a grande maioria dos candidatos à Bolsa de Terras são jovens agricultores que pretendem iniciar-se na cultura do mirtilo. Este dado, bem como a elevada procura que a Bolsa de Terras obteve, foram destacados por Manuel Soares, presidente da AGIM e da Câmara Municipal de Sever do Vouga, que exortou ainda os futuros mirticultores a procurarem inteirar-se dos apoios financeiros existentes para que as suas explorações tenham sucesso.

Ao todo, a Bolsa de Terras era composta por 40 hectares de terrenos, repartidos por 22 parcelas, propriedade da Fundação Bernardo Barbosa de Quadros, situados nas freguesias de Rocas do Vouga e Silva Escura. As parcelas de terreno, com áreas já definidas, variam entre os 1,23 e os 2,38 hectares, pretendendo-se que, no futuro, as plantações de mirtilos ali colocadas possuam uma área de plantação efetiva que poderá variar entre 1 hectare e 1,5 hectares.

De momento restam sete parcelas para os interessados, que podem formalizar a sua candidatura na sede da AGIM (Edifício Vougapark) ou através do e-mail agim@severdovouga.pt.

A Bolsa de Terras destina-se a interessados com mais de 18 anos que queiram dedicar-se à cultura do mirtilo e que detenham, pelo menos, 15% de capital próprio do valor a investir. Será dada prioridade aos candidatos residentes e naturais da freguesia de Rocas do Vouga, seguindo-se os residentes no concelho de Sever do Vouga, os naturais do concelho de Sever do Vouga embora não residentes, e jovens agricultores.

Cada agricultor poderá candidatar-se apenas a uma parcela, estando o investimento médio estimado em 76 mil euros por hectare, valor que poderá beneficiar de apoios comunitários através do programa PRODER, entre outros.

O contrato de arrendamento a assinar com o agricultor prevê que este pague uma renda anual que varia entre os 595 euros anuais para a parcela menor e os 1235 euros anuais para a parcela de maior dimensão.

O contrato de arrendamento é válido por 15 anos, que serão renováveis de cinco em cinco anos, e entrará em vigor em 1 de novembro de 2013.

Estima-se que a Bolsa de Terras vá criar 22 postos de trabalho permanentes e cerca de 400 postos de trabalho sazonais por ocasião da apanha do mirtilo, que ocorre entre Maio e Agosto.

O investimento total a ser feito na Bolsa de Terras ultrapassa os três milhões de euros.