Aniversário da ANSEME com tripla comemoração

Por Bernardo Madeira | Diretor da AGROTEC

No dia 26 de junho, em Elvas, a DGAV, INIAV e ANSEME organizaram o Simpósio 80 Anos de Certificação de Semente em Portugal/75 Anos de Melhoramento Vegetal/35 Anos de ANSEME.

anseme

A escolha da cidade de Elvas justifica-se pelo digno facto de ter sido nesta localidade que se instalou a Estação Nacional de Melhoramento de Plantas, de onde têm saído, desde a sua existência, inúmeras variedades de proteíginosas e cereais, incluindo triticales, e por ser onde se iniciaram os primeiros projetos de melhoramento vegetal devidamente orientados.

O evento contou com a participação do Sr. Ministro da Agricultura, dr. Capoulas Santos que aproveitou a ocasião para dar a conhecer a preocupação do Ministério com a questão da renovação geracional e da transmissão do conhecimento. Reconheceu que o “emagrecimento” que tem sido feito nas últimas duas décadas em termos de pessoal, com a demissão do Estado em diversas das áreas em que atuava, nem sempre se acautelou a garantia do pleno funcionamento dos serviços e projetos mas, sobretudo, não se previu a situação da perda de conhecimento resultante da limitação da entrada de novos jovens funcionários.

Agora, com o evidente envelhecimento dos técnicos e uma situação de galopante número de aposentações, coloca-se a necessidade de, rapidamente, repensar a forma de garantir a transmissão de conhecimento e assegurar a renovação do “sangue” dentro do ministério.

Outras duas preocupações foram partilhadas pelo Sr. Ministro, em primeiro lugar a da seca climática, que afetou a produção agrícola de Norte a Sul, com perdas muito significativas no que diz respeito às colheitas de cereais praganosos e, eventualmente, do próprio milho, pela falta de água para irrigação em alguns perímetros. Consequentemente anunciou a criação de um plano de ação a ser anunciado em breve.

Paralelamente, os anos de 2016/2017 ficam também marcados por uma das piores marcas seculares em termos de área de produção de trigo, sobretudo da espécie trigo duro, cuja qualidade alentejana era reconhecida no contexto europeu. Porém, também as áreas de arroz e sobretudo de milho se têm retraído, especialmente este último nos últimos 4 anos. Para tentar compreender o fenómeno e relançar as culturas, o Ministro anunciou a criação de uma comissão que tem a obrigação de, até Dezembro 2017, apresentar um plano de ação para o fomento das culturas de cereais em Portugal.

Durante o evento pode-se saber que Portugal se encontra, desde a primeira hora, na vanguarda da certificação de sementes, sendo um dos países mais rigorosos a nível mundial, tendo participado na produção de inúmera legislação europeia e normas internacionais, destacando-se, por exemplo, a interessante possibilidade de certificação de misturas biodiversas, recentemente reconhecida pela Comissão Europeia, estando também, em estudo, a possibilidade de certificação das populações de sementes.

A Srª Engª Paula Cruz Carvalho trouxe interessantes números da recente evolução da produção de semente em Portugal, sendo esta uma área que cria evidentes mais-valias nas regiões, nomeadamente na produção de semente de cereais e forragens pratenses, sendo de destacar, igualmente, a produção de semente de arroz, mercado que tem uma particularidade pelo facto de Portugal ser um país consumidor das variedades de grão carolino, que pouca atenção tem a nível mundial. A este respeito, a Engª Cruz Carvalho regozijou-se pelo lançamento, em Portugal, de duas novas variedades de arroz, que fazem face a um hiato de quase 20 anos sem inovações nesta área.

A fraca evolução em algumas áreas em que Portugal tem interesse em termos de melhoramento não deixou de ser uma preocupação transversal a diversos oradores, que chamaram a atenção para o constrangimento de se estar excessivamente dependente do estrangeiro em matéria de melhoramento de plantas, em alguns casos de espécies estratégicas para o país. Foram, aliás, palavras do Engº Sevinate Pinto “Não estamos tranquilos enquanto estivermos dependentes do melhoramento estrangeiro. Temos que conseguir um apoio maior para a multiplicação e melhoramento de forragens e cereais de Outono e Inverno, para os quais temos especificidades”.

A Câmara Municipal de Elvas aproveitou ainda a jornada, que terminou com um jantar de gala, para agraciar o Sr. Engº Benvindo Maçãs, diretor da Unidade Estratégica de Investigação e Serviços de Biotecnologia e Recursos Genéticos do INIAV com uma placa comemorativa e de agradecimento pelo trabalho realizado no concelho pela Estação Nacional de Melhoramento de Plantas!