Vinho do Porto: Acordo entre Produção e Comércio

O Conselho Interprofissional do Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto, I.P. acabou de aprovar em tempo útil o comunicado de vindima para este ano, definindo o benefício para 2015 na Região Demarcada do Douro. Este Conselho Interprofissional contou já com a representação dos viticultores através da Federação Renovação do Douro – Casa do Douro. Trata-se do primeiro ato desta Federação enquanto Casa do Douro de direito privado.

A aprovação do comunicado de vindima era essencial para a estabilidade da região, uma vez que define em concertação com o setor a quantidade de vinho de Porto a produzir. Este é um momento marcante para a Região uma vez que vem também demonstrar que está resolvido o problema da representatividade e defesa dos viticultores durienses, que era o principal problema da Casa do Douro pública. A sua resolução era a primeira prioridade do plano de ação definido pelo Governo para a Casa do Douro.

Também o problema do pagamento das dívidas está a ser resolvido, pois o diploma que define a forma como o processo de liquidação irá decorrer já foi aprovado em Conselho de Ministros, estando apenas a aguardar a respetiva promulgação.

O conselho interprofissional do IVDP fixou hoje em 111 mil o número de pipas (550 litros cada) a beneficiar nesta vindima (quantidade de mosto que cada viticultor pode destinar à produção de vinho do Porto). Em 2014, foram transformadas 105 mil pipas de vinho do Porto na mais antiga região demarcada do mundo. Este valor resulta do acordo entre a produção e o comércio.